Um turbilhão de pensamentos. Uma roda-viva de sentimentos

"Eu acho-me tudo, mas ao mesmo tempo acho-me “nada”. Sinto que sou a pessoa mais extrema do Mundo! Tanto consigo ser a pessoa mais doc...

"Eu acho-me tudo, mas ao mesmo tempo acho-me “nada”. Sinto que sou a pessoa mais extrema do Mundo! Tanto consigo ser a pessoa mais doce e carinhosa, como a mais fria e arrogante. Eu sei… Sou o “oito e oitenta”. Sou uma balança em constante mudança de peso!
Ao longo do tempo, fui-me conhecendo. Isso era algo que eu pensava que já o tinha feito… Mas, afinal não! Eu vou-me conhecendo todos os dias, porque há sempre algo novo que eu nunca tinha reparado em mim. Há sempre algo escondido no meio de tantos e tantos pormenores que à primeira vista parecem ser o que não são.
Sou um turbilhão de pensamentos. Uma roda-viva de sentimentos! Sou um catalisador de várias emoções, ao mesmo tempo… Eu sou uma autêntica e perfeita (ou imperfeita) confusão e creio que é isso que me dá “piada”. Eu gosto de me sentir diferente… A todos os dias, a toda a hora. Eu gosto de mudanças, embora tenha medo. Tenho muito medo… Aliás, tenho muitos medos!
O desconhecido assusta-me, o “novo” intriga-me! O desconhecido faz-me tremer as pernas de medo, o “novo” faz com que elas se mexam muito – talvez, até as ponha a correr atrás da resposta que tento procurar.
Eu tenho um “universo” cheio de estrelas e galáxias em mim, como também, tenho um “vazio enorme” e um “buraco negro” sem fim.
Os meus sonhos… Bem, esses são tão controversos! Eu sonho com Nova Iorque, com o grande amor da minha vida, um emprego de sonho – aliás, ser atriz, é isso que eu quero. Eu quero muito vestir-me e despir-me de personagens, de personalidades diferentes, de maneiras peculiares de sentir tudo e mais alguma coisa! Lá está, a tal mudança que eu necessito para viver. Mas… Vem aí o medo e o “jogar pelo seguro” torna-se primeira escolha, quando sinto que nunca irei conseguir sair da minha zona de conforto e lutar pelo que eu quero. Se calhar, eu até consigo sentir-me tão ou mais feliz, aqui – onde vivo – namorando com a pessoa que atualmente namoro (e que eu gosto muito!) e sentir-me realizado com isto tudo. Não! Não, eu não quero isso! Eu sinto-me bipolar com estes pensamentos… Um indeciso do pior! Deixo o descontrolo controlar-me completamente. Engraçado como estes paradoxos me assustam e ao mesmo tempo me fazem rir.
Não me abro facilmente para as pessoas. Não me dou a conhecer muito bem, antes de ter a certeza de que gosto realmente das mesmas e sinta que possa confiar nelas! São poucas as pessoas que até agora, podem dizer que me conhecem realmente… E eu gosto disso. Gosto de afirmar que tenho poucos amigos, gosto de me sentir um “mistério” para as pessoas novas.
São os “pequenos mistérios” nas pessoas que me intrigam… Ou então, eu não gostava de pessoas. Não me interessam se são homens ou mulheres, o que elas me transmitem e me fazem sentir é o que importa na minha mente. Pessoas que me fascinam são raras e eu amo as que tenho. Digo “amo”, porque ou se gosta ou não. Para mim são os extremos, que mais uma vez, vêm “à baila”! Por exemplo, por muito parvo que isto possa parecer – eu amo os meus amigos, família e namorado, num momento; como noutro, eu posso “detestá-los”. Não definitivamente, porque isso seria ainda mais parvo que a suposta barbaridade que acabei de escrever, mas num espaço momentâneo. No fundo, eu gosto que despertem o melhor e pior de mim… Que despertem o meu yin-yang! E quem me conhece realmente, não precisa de muito para o fazer."

You Might Also Like

0 comentários

A tua opinião é me importante ♡
Se vieste para insultar, não o faças, poupa tempo♡